Entrevista: ouvidor Roberto Gimarães fala sobre o cargo

13 de junho de 2019

Entre as novidades apresentadas pelo novo Estatuto está a criação da Ouvidoria, órgão de extrema importância para os associados. O ouvidor será escolhido por votação, mas para suprir esta necessidade até as próximas eleições, o Conselho Deliberativo indicou o sócio Roberto Guimarães para o cargo e a sugestão foi aceita pela Assembleia Geral Extraordinária realizada em fevereiro.

Roberto tem 63 anos e é sócio do Ginástico há aproximadamente 15. Nosso entrevistado desta edição é solteiro, trabalha como administrador de empresas e tem um filho de 19 anos. Nas horas vagas, além de ir ao Clube, o atual ouvidor gosta de fazer caminhadas e escutar rock, samba e MPB. Conheça um pouco mais:

G de Prata: Há quanto tempo o senhor é sócio do Ginástico?
Roberto: Frequento o Ginástico desde minha adolescência, quando tive a oportunidade de conhecer alguns atletas e fazer amizades que perduram até os dias de hoje. Com o tempo e convivência com os demais sócios, esse círculo de amigos vem só aumentando.

G de Prata: Como o senhor descreve sua relação com o Clube?
Roberto: Posso dizer que durante esses anos ganhei mais que grandes amigos. Criamos um forte vínculo familiar, que nos une em todos os momentos de nossas vidas.

G de Prata: O Ginástico acaba de instituir uma Ouvidoria. Na sua opinião, quais são as vantagens da criação deste órgão?
Roberto: Quando pensamos em Ouvidoria vislumbramos um ambiente de convivência integra, livre de discriminações e respeitosa entre as pessoas e a instituição. É por meio dela que são analisadas as dúvidas e porventura situações em que há desvios de conduta dos gestores. É um órgão que atua de forma estratégica na defesa das relações éticas e transparentes entre as organizações e as partes interessadas.

G de Prata: Qual é a sua atuação como ouvidor?
Roberto: Compete ao coordenador de ouvidoria receber, averiguar e solicitar suporte das áreas responsáveis em apurar as questões que chegam até ele, garantindo a confidencialidade das manifestações que demandem apurações.

G de Prata: O que acontece depois que uma manifestação é recebida pela Ouvidoria?
Roberto: Como dito anteriormente, a manifestação recebida será encaminhada e discutida com a área relacionada à questão, buscando ações de esclarecimentos e respostas de acordo com as normas internas. Após o entendimento, a parte interessada terá o retorno sobre a demanda recebida e avaliada, sempre garantido a confidencialidade das informações e seus desdobramentos.

O sócio que precisar entrar em contato com a Ouvidoria pode enviar sua mensagem através do menu Fale Conosco do nosso site. Em breve será criado, também em nosso portal, um canal específico de comunicação entre associado e ouvidor.

41 comments on “Entrevista: ouvidor Roberto Gimarães fala sobre o cargo

Comments are closed.